ORIGEM DO NOME DA CIDADE
   
O topônimo foi escolhido pelo fato de haver um acidente geográfico, formado por uma grande rocha, que se assemelha a uma torre. A pedra que dá nome ao município tem aproximadamente 30m de altura e foram os próprios moradores da região que passaram a chamá-la de torrinha.
 

Torrinha faz parte
da Chapada Guarani
.

Conheça aqui os roteiros do Estado!

DESTAQUE
 
 
PRODUÇÃO DE ÓLEOS ESSENCIAIS
     

Torrinha foi o primeiro município brasileiro a explorar comercialmente folhas de eucalipto para a extração de óleo, segundo o Globo Rural.  Com flora abundante, a cidade é uma grande produtora de óleos essenciais tendo, além do eucalipto, o alfa-bisabolol e a candeia, óleos de grande importância para a indústria farmacêutica e cosmética.

Produção de Óleos

Óleo essencial de eucalipto

Muito utilizado em saunas, como fixador de perfumes, na mistura com desinfetantes e como aromatizante, principalmente de bebidas e balas, o óleo de eucalipto é importantíssimo para a economia de Torrinha.

Atualmente são produzidas aproximadamente 600 toneladas por ano de óleo de eucalipto citriodora, conhecido como eucalipto cheiroso, sendo cerca de 60% da produção é

 
exportada a países europeus como Espanha, Alemanha, Inglaterra e China, que no passado chegou a concorrer na oferta de óleos.

Óleo essencial de candeia


Outro produto 100% natural, obtido através da destilação direta, processo de purificação que promove a separação dos derivados leves e médios existentes na mistura, é o óleo de candeia. Este óleo essencial tem emprego na indústria farmacêutica como veículo para medicamentos, sendo importantíssimo para a prevenção da esquistossomose. Quando aplicado à pele impede a penetração de cercárias do Schistosoma mansoni, causador da doença, popularmente conhecida como "Barriga d'água".

Óleo essencial de Alfa-bisabolol


Produzido a partir do óleo de candeia o óleo essencial de alfa-bisabolol natural é especialmente indicado para produtos de higiene e cuidado de bebês e crianças. Presente em cremes para peles delicadas, bronzeadores, protetores solares, loções pós- sol, pós-barba, pós depilação, creme dental, enxaguatório bucal e protetores labiais, o alfa-bisabolol natural não possui riscos toxicológicos conhecidos. Por sua ação antiinflamatória, o bisabolol tem sido empregado em substituição ao azuleno, substância ativa da camomila, em produtos cosméticos para prevenção de doenças e cuidados da pele.

Texto: Heloísa Gonçalves Pinto.
 
 
CURIOSIDADES
 
Aguardando histórias e curiosidades.
 
HISTÓRIA
 
 

A ocupação e o povoamento onde hoje localiza-se o município de Torrinha caracterizou-se pelo avanço das fronteiras de colonização do interior do país na busca por riquezas. Nos séculos XVII e XVIII essa porção do território paulista era cortada por caminhos de tropeiros e viajantes que aí faziam seu pouso. Com a necessidade de suprimentos de gêneros alimentícios, abastecimento variado e serviços de consertos, surgiram incipientes atividades comerciais e de prestação de serviço, possibilitando a fixação dos primeiros colonizadores da região e a formação de núcleos populacionais.

Esse processo de ocupação intensificou-se com  a doação de sesmarias que deram forma e delinearam as grandes propriedades rurais, embriões das futuras áreas urbanas. A Lei de Terra de 1850 favoreceu a vinda de pessoas de outras regiões do país que aqui estabeleceram-se com agricultura de subsistência em áreas próximas ao pequeno arraial em formação.

Através de documentos e registros, sabe-se que algumas famílias torrinhenses já viviam aqui desde 1850. Dessa forma podemos afirmar que as famílias Fonseca Costa, Mello, Dias, Ferreira, Ferraz, Gomes, Ribeiro do Prado, Dias Ramos, Carvalho, Franco de Moraes, Souza, Barros, Teixeira, Leite, Marques, Paiva, França, Pinto, Melchert, Barbosa, Bueno, etc, são consideradas as pioneiras.

Historicamente, José Antunes de Oliveira é considerado o fundador de Torrinha, foi ele quem doou ao Bispado de São Paulo uma pequena área onde foi edificada uma capela em homenagem a São José (onde se encontra a atual matriz), considerado o padroeiro da cidade. Calcula-se que esse fato se deu por volta de 1870, ou seja, vinte e dois anos antes da República.

Em 1880, documentos da época, registram a chegada de Jerônimo Martins Coelho, neto do Barão de Cocais, Vindo da Borda da Mata, Minas Gerais, aqui adquiriu grande quantidade de terras que alcançava as localidades de Santa Maria da Serra, Torrinha, Brotas e Dois Córregos. Instalou-se por muito tempo em terras onde hoje está a Usina dos Três Saltos e construiu nesta fazenda uma das primeiras Igrejas Plesbiterianas do Estado.

Nesse período outras famílias foram chegando e o arraial foi adquirindo vida e com a chegada de Bento Lacerda, que era filho do barão de araras, Sr. Bento Lacerda Guimarães e de Dona Manuela Franco, em 1886, o pequeno arraial ganha impulso. Bento Lacerda acabara de retornar à Pátria, vindo da Alemanha, onde estudara na Universidade Politécnica de Hannover, especializando-se em Química e Mineração. Aceitou o desafio e veio trabalhar nas terras adquiridas pelo Barão. Tornou-se uma das figuras mais importantes da
história do município.

 

A ele são atribuídas a criação do Distrito de Polícia em 1892 e Distrito de Paz em 1896.

O desenvolvimento econômico dessa região iniciou-se por volta do século XIX com a introdução da cultura açucareira. O plantio de cana-de-açúcar no município de Torrinha deve-se à sua proximidade geográfica das áreas açucareiras de Piracicaba, Araraquara e São Carlos. Entretanto as condições locais não favoreceram a permanência dessa cultura. O ciclo de cana-de-acúcar  impulsionou o povoamento e a colonização, favorecendo a introdução da cultura cafeeira e estimulando a vinda dos imigrantes.

A atividade cafeeira trouxe para o município um grande número de famílias italianas, fato esse que contribuiu definitivamente para o perfil sócio-econômico e cultural do município, pois proporcionou investimentos de capital e infra estrutura urbana, comércio, bancos, indústrias de bens de consumo, a fim de atender as necessidades da população, tais como alimentos, roupas, calçados, móveis, entre outro.

A lei estadual n º 1883, de 30 de novembro de 1922, criou o município de Torrinha e sua instalação como novo município foi realizada no dia 07 de Abril de 1923. Na ocasião foram eleitos Prefeito o Dr. Raul Lacerda, Presidente da Câmara Coronel Joaquim Ribeiro dos Santos e vereadores João de Alvarenga Mello, Luiz Della Coletta, Thomé de Siqueira Leite e Francisco da Silveira Bueno.

Com a crise de 1929 a região e o município sofreram as conseqüências econômicas do declínio da cultura cafeeira e introduziram novas culturas como o algodão, amendoim, arroz, milho, e a pecuária.

As culturas temporárias no Município, ao longo de seu processo histórico, vêm perdendo espaço e importância sócio-econômica. As culturas permanentes, depois de décadas de declínios, vêm aumentando bastante, principalmente nos últimos anos. Atualmente predomina no Município a cultura de cana-de-açucar, laranja, café, eucalipto, criação de bovinos, aves e outras criações.

Os setores primários e secundários apresentam fraco desempenho devido ao baixo aporte financeiro e tecnológico. Contudo pode-se dizer que as condições ambientais locais não sofreram forte intervenção humana (Antrópico) principalmente, em função dessa relativa estagnação  econômica, pois foi menor a pressão e a degradação dos recursos hídricos e dos solos. Esse fato constitui uma vantagem local para implantação de projetos de desenvolvimento voltados para diferentes modalidades da indústria do turismo que privilegiam ambientes menos degradados.

 
Fonte: Fundação SEADE - 2006
 
GASTRONOMIA
 
Aguardando receitas típicas ou tradicionais desta cidade.
 
HINO

 

O seu símbolo uma pedra altaneira,
Torrinha, Torrinha, Torrinha
O nome de minha cidade,
Pequenina,
Acolhedora,
Formosa enfim.

Gente hospitaleira, cheia de amizade
Isso Torrinha, Torrinha tem sim.

Os ares puros
E as fraldas das serras,
Com seus horizontes sem fim,
São coisas de minha terra,
E que torrinha tem sim.

Os prados cultivados
AS Campinas verdejantes
A lenda do Candimba
Na profundeza dos três Saltos,
Com os pitus e o célebre café
E os óleos essenciais que vão até
Caminhando pelo mundo afim,
São coisas próprias de Torrinha sim.

 
 
BENS TOMBADOS
   
Esta cidade não possui, atualmente, bens tombados.
 
 
Galeria
Conheça a cidade
por suas imagens!
 
Bandeira
 
 
Brasão