ORIGEM DO NOME DA CIDADE
   
Itatiba (tupi): A antiga vila de Belém de Jundiaí foi elevada condição de cidade em 1876, quando adotou seu nome atual. Ele faz referencia ao solo pedregoso (ita = pedra, tiba = muita) encontrado pelas patrulhas provenientes de Atibaia e Piracaia que descansavam na região.
 

Itatiba faz parte do
Circuito Turístico das Frutas


Conheça aqui os roteiros do Estado!

 
DESTAQUE
 
 

 

Correios lançam selo comemorativo do Circuito das Frutas

 
 
CURIOSIDADES
 
Aguardando histórias e curiosidades.
 
HISTÓRIA
 
 

Até 2004, conhecia-se apenas uma versão sobre a povoação de Itatiba. Um dos principais textos de referência era um artigo escrito por Eugênio Joly, itatibense nascido em 1833, de sólida formação cultural, para o Almanaque Literário Paulista, em 1875. Por meio desse documento, foi possível datar a fundação da cidade por volta do primeiro quartel do século XIX.

Antigas crônicas falavam da fuga de fugitivos de Atibaia e Piracaia, que teriam se embrenhado nas matas existentes na área onde hoje se encontra o município, acabando por criar uma pequena comunidade. A notícia da existência de terras férteis atraiu moradores de Atibaia e Jundiaí, que se dedicaram em especial à agricultura.

Em 1839, foi criada a Freguesia de Nossa Senhora do Belém, na então Vila de Jundiaí. Em 1857, houve elevação da Freguesia para vila, com o nome de Belém de Jundiaí. Conservando a mesma denominação, a vila foi promovida à cidade no ano de 1876. A modificação de seu nome ocorre um ano depois, quando passou a se chamar Itatiba (Muita Pedra, na língua Tupi).

Ainda em discussão, elas reportam a povoação da região onde hoje se

 

encontra a cidade de Itatiba aos idos de 1786, retroagindo, portanto, 18 anos.

Na segunda metade do século XIX, Itatiba era uma das grandes produtoras de café. Após a crise de 1929, adquiriu um perfil mais industrial. A partir dos anos 60, a cidade conheceu um novo surto de desenvolvimento, quando da instalação das primeiras indústrias do ramo moveleiro. Itatiba passou a ser conhecida como A Capital do Móvel Colonial.

Atualmente, o município conta com 93.000 habitantes, um distrito industrial diversificado, um potencial turístico e cultural em franco desenvolvimento, combinando perfeitamente o aconchego das típicas cidades do interior com a modernidade proveniente da capital, de onde está distante apenas 80 quilômetros.

Em 2007, Itatiba completará 150 anos de emancipação político-administrativa. A partir de 2004, novas informações ligadas às origens do município têm surgido, incentivando a pesquisa sobre a fundação de Itatiba.

 
Fonte: Fundação SEADE - 2006
 
GASTRONOMIA
 
Aguardando receitas típicas ou tradicionais desta cidade.  
 
HINO

 

Não há hino cadastrado.

 
 
BENS TOMBADOS
   

SOLAR ALVES LANHOSO

Rua Florêncio Pupo, 306
Processo: 24520/86     
Tomb.: Res. SC 22 de 3/7/87     
D.O.: 7/7/87
Livro do Tombo Histórico:
Inscrição nº 275, p. 71, 18/7/1988

A formação de Itatiba se deu de forma um tanto quanto pitoresca. Por volta de 1810, uma escolta comandada por Lourenço Leme perseguiu  prisioneiros e após a contenda, de volta à Atibaia, tornou pública a fertilidade do solo da região de Itatiba que passou a receber os primeiros habitantes. Em 1814, foi construída a capela dedicada à Nossa Senhora do Belém e, em conseqüência do seu desenvolvimento, foi elevada à categoria de cidade, em 1876.

O Solar Alves Lanhoso foi construído por Bento Lacerda Guimarães, o barão de Araras, em 1859. A sua técnica construtiva é em taipa de pilão e encontra-se implantado nos alinhamentos do lote de esquina. A edificação é térrea, com cobertura em telhas capa e canal e, nas elevações, janelas dispostas seguindo um ritmo constante.

Fonte: Processo de Tombamento
 
 
Galeria
 
Conheça a cidade
por suas imagens!
 
 
 
 
Publicidade
 
 
linha
 
 
 
 
Bandeira
 
 
Brasão